Câncer de intestino grosso e reto

Câncer de intestino grosso e reto

O câncer colorretal é o segundo mais frequente no brasil. O tipo histológico mais comum é o adenocarcinoma (90% dos casos) e seu desenvolvimento é influenciado tanto por fatores esporádicos (70% a 80% dos casos), como dieta pobre em fibras, consumo de carnes processadas e tabagismo, quanto por fatores familiares ou herdados.

Existem duas formas herdadas mais comuns de câncer colorretal: HNPCC (câncer hereditário não-polipose hereditário), ou síndrome de Lynch, e a FAP (polipose adenomatosa familiar). Portanto, mudança de hábitos de vida e o acesso à colonoscopia permitem o diagnóstico precoce e o tratamento de pólipos (lesões precursoras) ou mesmo de câncer em estágio inicial.

O tratamento cirúrgico consiste na retirada do segmento intestinal acometido, associada à dissecção linfonodal. Dr. Valter Alvarenga esclarece que a reconstrução intestinal pode ser realizada na maioria dos pacientes, mas algumas vezes a colostomia (saída de fezes pelo intestino em uma bolsa coletora acoplada ao abdome) pode ser necessária em situações específicas, como urgências, desnutrição, radioterapia prévia e tumores que acometem ou estão muito próximos do ânus.

Para estes pacientes, com o objetivo de se evitar a amputação do reto e todas as suas consequências, como a colostomia definitiva, a incontinência urinária e a impotência sexual, realizamos o tratamento inicial com radioterapia e quimioterapia antes do procedimento cirúrgico. Esta abordagem permite a redução do tumor e o tratamento de células tumorais circulantes.

O acesso minimamente invasivo laparoscópico ou por cirurgia robótica demonstram resultados oncológicos equivalentes à cirurgia convencional, com vantagem em termos de recuperação pós-operatória.

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Outras Especialidades
Cirurgia Robótica - Dr. Valter Alvarenga

Cirurgia Robótica

A Cirurgia Robótica é considerada uma evolução da cirurgia minimamente invasiva videolaparoscópica. Após estabelecer os acessos (incisões), o cirurgião introduz a câmera e os instrumentos

Cirurgia Videolaparoscópica - Dr. Valter Alvarenga

Cirurgia Videolaparoscópica

A Cirurgia Videolaparoscópica é a modalidade da cirurgia minimamente invasiva em que introduzimos uma óptica acoplada a uma câmera de vídeo e outros instrumentos cirúrgicos

Melanoma - Dr. Valter Alvarenga

Melanoma

O melanoma maligno é um câncer de pele raro, mas agressivo, pois, mesmo em estágios iniciais pode ser capaz de se espalhar para outros órgãos